Futebol Feminino: precisamos falar sobre respeito.

 Futebol Feminino: precisamos falar sobre respeito.

Foto: Ricardo Stuckert / CBF

Quando falamos sobre a necessidade do futebol feminino crescer é para além das 4 linhas.

Torcedores que em momento de raiva, expõe situações ou comentários desagradáveis sobre uma administração ou sobre familiares dos administradores, precisam rever o conceito de torcer.

O Futebol Feminino trouxe um fenômeno incrível para o país que mais ama Futebol, a aproximação de atletas e torcida, porém é a própria torcida que faz com que todos se afastem.

E qual a consequência disso? A crítica pessoal se torna profissional. Atleta não é sua amiga, atletas são profissionais, trabalham e recebem do clube que você torce. Ela não gostar de alguém, não a faz menos jogadora.

Passar o dia inteiro no Twitter atacando pessoas no seu íntimo, não é atitude de torcedor, você não agrega em nada a modalidade.

Imagina você profissional e as pessoas ao seu redor te atacarem pelo simples fato de não simpatizarem pela sua pessoa. O quão constrangedor é isso?

A construção do Futebol Feminino passa (e muito) pelo respeito. No seu time do sonho escalar A ou B é opcional, mas no mundo a ser construído respeitar A a Z é obrigatório.

O Turbilhão Feminino, não é e não quer ser dono da verdade, desde que começamos buscamos entrar em campo para aprender, vestimos a camisa de atletas, times e profissionais, abrimos espaços para todos aqui.

Vestimos Turbilhão, vestimos Futebol Feminino e vestimos respeito!

Edição: Caio Henrique / @turbilhaofeminino

Fernanda Barros