Sócia Atleta: Conheça Natalinha, atleta do Taboão/Magnus

 Sócia Atleta: Conheça Natalinha, atleta do Taboão/Magnus

Foto: Ian Freitas

Nosso quadro Sócia Atleta entra hoje em uma série especial com atletas de futsal e para começar vamos contar um pouco da história de Natalinha! Natural de Osasco, interior de São Paulo, a pivô da equipe de futsal que vem construindo uma história cada vez mais vitoriosa, relembra sua trajetória no Futsal Feminino. Confira o bate papo:

Turbilhão Feminino – Como começou sua história com o futsal?
Natalinha –
Jogando com os meninos, meu irmão fazia escolinha aos sábados e me levava junto com ele.

TF – Quais as maiores dificuldades que enfrentou durante a sua carreira e qual o momento mais emocionante que você viveu?
N – O apoio no início e quando me lesionei. O mais emocionante foi quando falei para minha família que tinha sido convocada para a Seleção Brasileira e Seleção Universitária.

TF – Para você qual a importância do futsal para a sociedade e quais as dificuldades a modalidade enfrenta para ser mais difundida?
N –
A Grande importância é que através do futsal criamos excelentes jogadores profissionais.
Infelizmente ainda temos grande dificuldade em relação ao apoio, hoje em dia melhorou um pouco, porém estamos atrás de muitas outras modalidades.

TF – Quando criança você tinha ídolos. Hoje você se enxerga nessa posição de ídolo de outras (os) jovens. O que você pensa disso e qual a parte mais importância desse legado?
N – Às vezes nem acredito, mas é uma sensação incrível poder inspirar outras pessoas. Eu sempre tento passar a melhor visão possível, e o melhor de mim.

Foto: Ian Freitas

TF – Para você o que diferencia o futsal do futebol e porque ainda hoje existe essa diferença?
N –
Acredito que deveriam considerar o futsal como profissional também, existe a diferença do apoio também, não que elas tenham o merecimento, merecem muito mais, porém elas estão um pouco melhor que nós. Mas acredito que a maioria das meninas do campo já jogaram futsal e eles deveriam valorizar um pouco mais.

TF – Quais suas referências dentro e fora do esporte?
N
– Meu pai, Luana Moura e Vanessa.

TF –  Qual a sensação de atuar pela equipe do Magnus e qual a expectativa para a continuação do campeonato?
N –
É incrível estar no melhor momento do Taboão Magnus, a expectativa é a melhor possível, e espero conquistar todos os títulos disputados.

TF – Qual mensagem você deixa para as atletas jovens que querem seguir a carreira na modalidade e um dia chegar onde você está hoje?
N –
Não desistir dos sonhos que elas tem, eu costumo levar uma frase comigo para vida, que é: Tudo é possível aquele que crê! Então creia que Deus sempre realiza sonhos.

Desejamos a fera Natalinha sucesso na sua caminhada! Que todos os seus sonhos e objetivos se realizem. Aproveitamos para agradecer a disponibilidade, carinho e respeito com o nosso projeto.

Edição: Fernanda Barros / Fidel Costa – @turbilhãofeminino
Assessoria: WP Assessoria – @wp_assessoria

Fernanda Barros