Sócia Atleta: Conheça Isabela Melo, atleta do Real Brasília

 Sócia Atleta: Conheça Isabela Melo, atleta do Real Brasília

Foto: Ricardo Botelho

A zagueira Isabela Melo, nasceu em Belo Horizonte e mesmo jovem já acumula passagens e experiências por grandes clubes. Atualmente vestindo a camisa do Real Brasília a atleta bateu um papo com nossa equipe, confira:

Turbilhão Feminino – Como e quando começou sua relação com o esporte?
Isabela Melo –
Desde criancinha sempre tive contato com o esportes, com o futebol comecei assistindo jogos da várzea em um campo próximo da minha casa, dos 8 até os 12 anos joguei com meninos e aos 12 anos foi onde tive a primeira oportunidade de jogar somente com meninas. Permaneci nessa equipe até os 15 anos, onde joguei 1 campeonato mineiro mesmo a equipe sendo da várzea, foi onde o Atlético – MG me viu jogar e me convidou mesmo muito nova para treinamentos com as atletas do Galo, chegando lá fui bem e foi onde comecei a jogar “profissionalmente”.

TF – Relembre sua trajetória profissional até chegar ao Real Brasília.
IM –
Comecei na várzea aos 12 anos, aos 15 cheguei no Atlético – MG onde permaneci até meus 17 anos, foi quando o clube encerrou as atividades no futebol feminino e tive que sair de casa, viver longe dos amigos e da minha família para ir em busca do meu sonho, que era ser jogadora de futebol. Saí e tive passagens pelo Serra (MT) onde joguei 1 Copa do Brasil (2013), tive passagem pelo Capital (DF) onde joguei o Campeonato Brasiliense (2013) e o 1° Campeonato Brasileiro pelo Ascoop. Em 2014 retornei para Belo Horizonte (minha cidade natal) e joguei 1 Copa do Brasil e Campeonato Mineiro com a equipe do Neves F.C e atuava pelo futsal na equipe do Meca Contagem onde joguei Mineiro e Taça Brasil. Em 2015 tive convocação para jogar o Sul-Americano de futebol de Salão com a seleção Brasileira, que foi sediado em Cáli (Colômbia). Retornando ao Brasil, joguei: Paulista, Jogos Regionais, Jogos Abertos e Campeonato Brasileiro pelo Rio Preto (SP). Em 2016 retornei para Minas e disputei Brasileiro, Mineiro e Taça Belo Horizonte pelo América – MG. 2017 e 2018, joguei pelo E.C Vitória (BA). Em 2019 retornei para São Paulo e joguei Paulista e Campeonato Brasileiro pela Ponte Preta (SP), após o Brasileiro em setembro de 2019 cheguei no Real Brasília para a disputa do Campeonato Brasiliense onde permaneço até hoje.

Foto: Ricardo Botelho 

TF – Quais aspectos você considera fundamentais para o desempenho do Real e seu em específico nesta temporada?
IM –
Caímos em um grupo muito difícil, time novo na competição, poucos meses de trabalho, porém toda dificuldade que enfrentamos na fase de grupo, pelo equilíbrio ser tão grande e por estarmos disputando vaga com clubes tradicionais no futebol masculino, cada jogo foi fundamental para nossa crescente dentro do torneio, tanto nos aspectos em campo quanto fora dele. Nos fortaleceram muito todas as dificuldades e soubemos lidar com todas elas e manter o resultado positivos mesmo quando no início era adverso. Isso nos ajudou e fortaleceu muito, então ao meu ver, além de todo o trabalho profissional e acolhedor que o Real Brasília tem com o futebol feminino, foi o que contribuiu para o nosso desempenho.

TF – O Real Brasília era um dos favoritos ao acesso e ao título? Como você analisa isto?
IM –
Não existiu isso de favoritismo a nossa equipe, na verdade em nenhum momento existiu ou “acreditaram” nisso, éramos “taxados” como o patinho feio em nosso grupo e depois chegamos para o mata-mata contra a equipe fortíssima do 3B, equipe a qual teve a melhor campanha entre todas na fase de grupo. Então até ali, éramos só mais 1 equipe que conseguiu se classificar por “sorte” na fase de grupos, mas que “morreria” ali naquela fase, de acordo com o que víamos nas redes sociais e páginas de futebol feminino (com exceções é claro). Foi só após passarmos para as quartas de finais que realmente começaram a ver que nossa equipe não chegou até ali por acaso, só ali viram e valorizaram o trabalho sério e todo profissionalismo, tanto do clube quanto das atletas para alcançar tais feitos. Foi quando chegamos ao jogo do acesso como favorito no nosso confronto, por todos aqueles que desacreditaram da gente desde o início. Mas, isso não fez e não faz nenhuma diferença para nós, porque sabemos que o futebol é jogado dentro das 4 linhas e assim temos feito desde o início e permaneceremos.

TF – O que te inspira a jogar e a seguir nessa profissão?
IM –
Desde sempre foi o meu maior sonho, e o que me motivou e inspirou foram todas as dificuldades e todas as pessoas que falaram que futebol não era para mulheres me fez cada dia trabalhar mais para fazer como as primeiras mulheres que deu a cara a bater pela modalidade, de acreditar e ir atrás dos meus sonhos e objetivos para estar vivendo esse momento incrível de ascensão do futebol feminino em nosso país e dentro dos clubes, sejam eles projetos ou vindos da equipe masculina.

TF – Qual o seu maior sonho dentro do futebol?
IM
– Que nossa modalidade tenha o verdadeiro reconhecimento, valorização e principalmente o respeito merecido.

TF – O futebol feminino é uma realidade. O que você diria para as meninas que estão iniciando?
IM – Não deixem jamais que alguém diga que você é ou não é capaz de algo, se este é o seu sonho, viva em busca dele. Trabalhe, treine duro e se entrega todos os dias em prol daquilo tudo que você almeja alcançar ou ser na sua vida. Nunca deixe de acreditar!

Desejamos a atleta Isabela Melo sucesso na sua caminhada, que todos os seus sonhos e objetivos se realizem. Aproveitamos a oportunidade para agradecer a atleta pelo apoio ao nosso projeto desde o início.

Edição: Fernanda Barros / Natália Trapp – @turbilhaofeminino

Fernanda Barros